Connect with us

Política

Sobre um país sem (cons)ciência e sem presidência

Publicado

dia

Iotti / Agência RBS

O Brasil é um país imerso na escuridão, no obscurantismo e na esquizofrenia política coletiva. Mas isso não é novo! À luz da história e da sociologia, esta pátria escravagista revela-se em constante flerte com golpes de estado – agora jurídico-parlamentar, como em 2016, outrora militar, como em 1964 –, conspirações contra um “inimigo” comunista, postura subalterna frente aos países dominantes e ataque sistemático às ciências e universidades. Sim, caro leitor, 1964 foi golpe! 2016, é golpe! A menos que você seja um discípulo olavista, apreciador da estupidez travestida de intelectualidade de Leonardo Narloch [1], negar os dois golpes de estado mais recentes indica desonestidade intelectual ou ignorância dos ventos da história brasileira. O último caso é perdoável. Mas a desonestidade, geralmente impressa em narrativas pseudocientíficas, tem inumeráveis consequências e não pode ser tolerada. Paciência com os analfabetos! Enfrentamento aos desonestos!
O filósofo, que não é filósofo, que é um mentiroso, indica ministro em um governo que despreza a ciência, as artes e o conhecimento. O mesmo “filósofo” questiona o heliocentrismo[2] e tem milhões de acesso no Youtube. Não importam os argumentos: o que conta é a “elegância” da mentira, o populismo escroto e ódio aos conhecimentos ( ainda que estes que gozem de relativo consenso nas comunidades de pesquisa). Mas, pasme, caro leitor: o mentiroso em questão, oferece cursos de “filosofia” na internet e tem 985 mil inscritos em seu canal no Youtube – além de responder à dezenas de processos por difamação e calúnia.
Parece um pesadelo. Mas não é. É real. São 72 mil mortes,no Brasil, naquela que já é pior crise sanitária mundial do século XXI . No entanto, afirma o presidente, em um passado tão presente: é uma gripezinha![3] Isso tá batido, é chato ficar repetindo – dirá o leitor, cansado de tantas mentiras. Mas não pode ser esquecido. O presidente não pode ser porta-voz da burrice, sob risco da barbárie, incorrendo em sério desacordo com a ética que o carga máximo do executivo nacional exige. Definitivamente, O Messias jamais deveria ter sido eleito…”culpa do PT”, diria o velho ignorante – aliás, nada mais reducionista, simplista e anticientífico do que essa afirmação. É preciso leitura, pesquisa séria, ampliação de olhares. Reduzir o drama social e político do Brasil ao petismo é coisa de gente desonesta e/ou mal (in)formada. Posso até aceitar, como opinião. No entanto, caro leitor, devo dizer: trata-se de uma narrativa mentirosa e propositalmente construída para te fazer de tolo. E você não é tolo![4].
O ex-ministro Weintraub, adepto do olavismo, do obscurantismo e da burrice, disse que universidades federais plantam maconha[5]. Dito assim, parece que as universidades federais do Brasil são verdadeiras fornecedoras da erva para o narcotráfico. Isso é mentira e, em um país sério, este senhor deveria responder a um processo administrativo – no mímino . Desafio o leitor a provar que o ministro tem razão. Você não vai conseguir: sabe por quê? Porque isso não corresponde à verdade. As universidades brasileiras tem muitos problemas. Mas a maconha, definitivamente, não compõe o rol de problemas. Faltam investimentos, faltam professores, faltam laboratórios e, ainda assim, 95% da pesquisa científica no do Brasil é feita nas universidades públicas[6]. São as universidades públicas, através da formação de quadro espacializado de profissionais, que estão nos ajudando a enfrentar o drama da pandemia do novo coronavírus.
Como é possível que o “ministro” da Educação seja capaz de atacar a ciência e agir de forma tão leviana e desonesta? Evidentemente, um questionamento dessa natureza não se responde adequadamente em um breve texto. Mas não podemos desconsiderar a natureza do (des)governo nazi-fascistóide que ocupa o Planalto: negar o conhecimento, nos lembra Umberto Eco, é uma das características do fascismo. Ou seja, eles não são tão burros. Alguns, são, sim, burros. Mas, antes de tudo, são cínicos, sádicos, perversos, canalhas. A suposta burrice é parte de um projeto político genocida, meticulosamente orquestrado. O Brasil, não nos restam dúvidas, está à beira de uma hecatombe social. A combinação de fanatismo político, negacionismo científico e extremismo religioso é a receita para uma desgraça sem precedentes. Em qual país, em plena crise sanitária de covid-19, existe um governo que aparelha o ministério da saúde com militares que não entendem nada de saúde pública? Em qual país, quando se mais precisa da pesquisa científica, o governo ataca de morte as universidades e institutos de pesquisa? Existe esse país?
Infelizmente, caro leitor, este país existe, e caminha para o caos. O fundo do poço ainda não foi atingido. O fundo do poço, acredite, não é pior lugar. Em consciência, no fundo do poço, a gente pode pensar estratégias para subir à superfície. Sem ciência, sem consciência e sem presidência, em queda, sem ter ideia da profundidade do poço, somos uma nação agonizante, quiçá, imersa numa tragédia sem fim. No poço, os que estão em cima não escutam os de baixo. Em queda interminável, eis a forma como me sinto nesse país de abutres e fascistóides no poder!

[1]QUEM DISSE QUE ZUMBI TINHA ESCRAVOS? Meteoro Brasil. Disponível em: < https://youtu.be/FxWEpbVAJbk> . Acesso em: 14/07/2020.
[2] Olavo de Carvalho: A terra não se move e Einstein é fanfarrão. Vem pra K pra tu vê. Disponível em: https://youtu.be/cV48LjgPXFk. Acesso em: 15/07/2020.
[3] Em cadeia de TV, Bolsonaro minimiza coronavírus para insuflar base radical. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2020-03-25/em-cadeia-de-tv-bolsonaro-minimiza-coronavirus-para-insuflar-base-radical.html. Acesso em 15/07/2020.
[4] Mais uma vez, eu recomendo: SOUZA, J. A elite do atraso: da escravidão à Lava Jato. Rio de Janeiro: Leya, 2017.
[5] Ministro da Educação diz que universidades federais plantam maconha. Disponível em: < https://exame.com/brasil/ministro-da-educacao-diz-que-universidades-federais-plantam-maconha/> . Acesso em: 15/07/2020. Vale destacar que o cultivo de maconha em uma instituição de pesquisa pode se justificar por interesse de pesquisa acerca propriedades terapêuticas da planta.
[6] Universidades públicas realizam mais de 95% da ciência no Brasil. Disponível em: https://www.unifesp.br/noticias-anteriores/item/3799-universidades-publicas-realizam-mais-de-95-da-ciencia-no-brasil. Acesso em: 15/07/2020.

Mestre em ensino de física - UEFS, professor da rede pública de ensino da Bahia e músico!

Veja Mais
Clique para comentar
0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks

Política

‘A luta de professores por direitos’ foi o tema da AgendaMIC dessa semana

ENTENDA A ATUAL SITUAÇÃO DOS PROFESSORES QUE TIVERAM SEUS DIREITOS TIRADOS PELA PREFEITURA DE MORRO DO CHAPÉU.

Publicado

dia

A Luta dos Professores na Defesa dos Direitos foi o tema central da última edição da AgendaMIC, terça-feira, 23/03. O bate-papo virtual aconteceu a noite e foi transmitido na Live do Léo. Veja como foi a conversa assistindo o vídeo abaixo.

A 3ª edição da AgendaMIC na Live do Léo, apresentada por Welton Matos – autor da Agenda, convidou a Professora Lilian Maria, Coordenadora da APLBAssociação dos Professores Licenciados da Bahia que manifestou a sua insatisfação com a forma como os direitos da classe de professores estão sendo tirados mesmo que tenham sido conquistados com muita luta pela instituição que tem mais de 85 anos.

Lilian relembrou alguns momentos na trajetória de luta dos professores de Morro do Chapéu. Veja a seguir.

ENTENDA A ATUAL SITUAÇÃO DOS PROFESSORES QUE TIVERAM SEUS DIREITOS TIRADOS PELA PREFEITURA DE MORRO DO CHAPÉU.

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE



—–O que está acontecendo com a classe de professores do Morro do Chapéu é o seguinte:

  • Em Janeiro circulavam boatos que a gestora iria mexer nos salários, pois segundo ela, ganhamos rios de dinheiro.
  • A APLB então solicitou reunião onde a gestora [Juliana Araújo, PL] garantiu que eram apenas boatos.
  • Não foi. [E o] pagamento de janeiro [veio] com desconto. Ao ser questionada mais uma vez, alegou que estávamos recebendo vantagem em cima de vantagem, gerando um efeito cascata.
  • Mais uma reunião foi feita: comissão do FUNDEB, advogados das duas partes, professor de matemática para mostrar os cálculos, e ela [Juliana] simplesmente irredutível continua com os descontos, não considerando a progressão da classe (calculando o salário atual pelo salário base de 11 anos atrás. Ao invés de calcular sobre nossas gratificações);
  • O plano de carreira do magistério está em vigor desde 2010, após incansáveis dias de lutas para aprovação… rasgado e jogado no lixo por uma gestora que parece desconhece-lo.
  • Em fevereiro e março [a] pressão sobre os funcionários em cargos comissionados, ordenando que não participassem dos movimentos ou compartilhassem nada referente a isso; inclusive saíssem do grupo da APLB;
  • Muitos funcionários públicos estão intimidados com a postura da atual gestão [Juliana Araújo, prefeita de Morro do Chapéu-BA]: perseguidora, autoritária, arrogante e desconhecedora dos direitos que regem a nossa lei”.

 – TEXTO DE AUTORIA DE ALGUNS PROFESSORES DO MUNICIPIO DE MORRO DO CHAPÉU publicado no facebook. —-

Na AgendaMIC:

16/03/2021: Inclusão Cultural em Ponta D’ Água“.

09/03/2021: Exclusão Cultural Resistência Quilombola“.

Veja Mais

ARQUIVO WM

0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x